Hipospádia

O que é Hipospádia?

A hipospádia é principal malformação congênita da genitália masculina, ocorrendo em cerca de um a cada 300 meninos. 
A principal característica da hipospádia é a presença de uma uretra que não chega até a ponta da glande (cabeça do pênis), sendo, portanto, mais curta e abrindo-se na parte de baixo do pênis. Existem diversas formas de hipospádia, desde as mais leves em que a uretra chega quase até a ponta do pênis, até formas mais graves, nas quais o orifício da uretra se encontra próximo ao saco escrotal, ou até mesmo próximo do ânus. 

Nas hipospádias, a pele peniana (prepúcio) não se fecha anteriormente fazendo com que haja um excesso de pele na parte de trás do pênis, também conhecida como capuchão (capuz dorsal), e falta de pele na parte da frente. Não raramente o pênis possui uma curvatura para frente, ficando torto quando em ereção.

45112f5b61c80e62.jpg

Uma das implicações evidentes da hipospádia é que a criança urina para baixo e não em linha reta, obrigando-a, muitas vezes, a urinar sentada. Além disso, compromete o aspecto estético do pênis. Nos casos em que a curvatura peniana é mais grave, pode até dificultar a penetração, durante o ato sexual, no futuro.

Por que tratar?

 

A hipospádia começa a causar problema para o menino quando ele começa a se socializar, pois o pênis apresenta um aspecto anatômico anormal, principalmente devido ao capuz de pele na região dorsal, diferente dos outros meninos, causando assim problemas com a autoimagem e autoestima à medida que a criança vai crescendo. Isto pode acarretar, inclusive, problemas futuros na esfera sexual.

Nos casos em que a hipospádia é mais grave e que a uretra se localiza numa posição mais baixa, a criança pode ter que urinar sentada e pode haver problemas com a fertilidade, pois o sêmen pode não alcançar o óvulo.

Nos casos de curvatura peniana acentuada pode haver dificuldade na penetração vaginal.

Se o médico de seu filho insiste em dizer que “ele é muito novo para operar”, procure um especialista, pois a tendência atual é operar cada vez mais cedo, através do uso de técnicas de microcirurgia

 

Como tratar

 

O tratamento da hipospádia visa melhorar o aspecto estético, proporcionando uma função miccional e sexual normais

A correção da hipospádia é sempre cirúrgica e envolve a correção da curvatura peniana, deixando o pênis retificado; confecção de uma nova uretra e reposicionamento do orifício uretral na ponta do pênis e, por fim, plástica da pele, corrigindo o capuz dorsal, fazendo com que o aspecto final se assemelhe ao de um pênis operado de fimose.

A cirurgia deve ser reconstrutiva e exige uma destreza e treinamento muito grande por parte do cirurgião. A escolha da melhor técnica depende a experiência do cirurgião, bem como do tipo de hipospádia a criança apresenta.

A cirurgia para correção da hipospádia é extremamente delicada e deve ser feito com muito rigor técnico, com alguém especializado no assunto, material cirúrgico próprio e com lupa de aumento. Quando isso não é seguido a taxa de complicações é elevada.

A idade ideal para realização da cirurgia é entre 6 meses e 1 ano de idade, pois nessa idade é mais fácil lidar com os curativos, a cicatrização é melhor e a criança não se lembrará no futuro.

Mas, como não é uma cirurgia de urgência, pode ser marcada para uma época que seja apropriada para a família.

omgst12.png